Hospitalidade é ser um anfitrião generoso e simpático e um convidado respeitoso e agradável, o que significa que devemos ser educados com os nossos visitantes e gratos a nossos anfitriões. Esta é uma relação recíproca, na qual se respeita esperando ser respeitado. Isso significa tratar bem uma visita já convidada, entretanto não quer dizer que sejamos obrigados a aceitar hóspedes desagradáveis em nossa casa.

Esta virtude, mais do que qualquer outra, rege o relacionamento entre as pessoas. Presentes devem ser pagos com presentes, não necessariamente físicos, mas ligados à reciprocidade de tratamento, pois um convidado virtuoso é grato e respeitoso com seu anfitrião e retribui suas boas-vindas com momentos agradáveis ​​e ocasiões graciosas. Hospitalidade é ser generoso com pessoas honradas e dignas, e somente pessoas que demostram seu mérito são merecedoras desta nobre doação.

Hospitalidade é saber dar e receber, é uma forma de interação social e uma forma de expandir relacionamentos. É uma maneira de compartilhar um pouco do melhor que temos e nosso tempo com os outros.

A meu ver, a hospitalidade é, também, uma regra para regular a interação com os deuses. Hospitalidade para os deuses significa manter uma prática constante de oferendas e uma forma devota de agir não apenas quando festas e cerimônias religiosas estão sendo feitas, mas como uma conduta geral, pois os deuses não estão restritos a templos e eventos, eles estão em todas as pequenas partes de nossas vidas e mundo. Honrar os deuses com os presentes é manter uma conexão mútua de afinidade e fortalecer a aliança com o Outro Mundo. Por isso, esta é uma virtude fundamental, pois é a base para todas as interações sociais em todos os tipos de relações, materiais ou espirituais.