As Festas Religiosas são momentos de grande importância na estrutura social de qualquer sociedade e isso não era diferente com os “Celtas”. Através da Mitologia, dos manuscritos monásticos escritos após a conversão da Irlanda, das descrições romanas e das pesquisas arqueológicas nós temos conhecimento de que quatro grandes festivais eram celebrados todos os anos: Samhain, Imbolc, Bealtainne e Lughnasadh. Esses quatro festivais tinham um significado crítico na organização social e uma relação profunda com o suporte à organização trifuncional, uma vez que essas ocasiões eram parte de uma reconstrução anual do significado mitológico cobrindo temas importantes para as três classes sociais envolvidas, pois eles estão relacionados com as divindades, com a soberania e com o poder de renovação e ciclos naturais envolvidos na produção.

Nós temos também informações históricas e arqueológicas a respeito de outros quatro festivais celebrados nos solstícios e equinócios, embora a menção deles nos relatos monásticos e nas mitologias sejam raros. Infelizmente, nós não podemos ter certeza das exatas razões desse fato. Mas nós podemos dizer com certeza que eles existiram, especialmente se levarmos em conta a importância dos monumentos megalíticos que eram amplamente utilizados pela cultura Celta por sua precisão astronômica, embora fossem construções anteriores a sua ocupação.

Como estas festividades tinham diferentes funções no mundo Céltico, eu irei dividi-los em dois grupos “Os Grandes Festivais Ancestrais”, aqueles cultos religiosos ligados à organização social e preservados nos mitos, e “Os Grandes Festivais dos Mistérios Ancestrais”,  aqueles ligados aos eventos e monumentos astronômicos.

Os Grandes Festivais Ancestrais

  • Lughnasadh
  • Samhain
  • Óimelc
  • Beltaine

Os Grandes Festivais dos Mistérios Ancestrais

  • Equinócio de Outono
  • Solstício de Inverno
  • Equinócio de Primavera
  • Solstício de Verão

É importante lembrar que, mesmo os “Os Grandes Festivais Ancestrais”, eram determinados por eventos naturais, pois todos estes dias aconteciam aos primeiros sinais das estações. Mas essas cerimônias religiosas dividiam espaço com assembleias legais e eventos relacionados com todas as classes sociais, elas eram festas que envolviam toda a comunidade e fortaleciam a estrutura trifuncional, o que, é possível, não fosse o caso dos “Os Grandes Festivais dos Mistérios Ancestrais”, que parecem ter pouco ou nenhum significado político. Eles parecem estar conectados a ciclos produtivos e astronômicos mais que à manutenção social, talvez este seja o motivo deles não aparecerem em narrativas míticas.