Modéstia é compreender que sempre temos mais a aprender e melhorar em nós mesmos, que nunca seremos “o melhor” se tivermos a intenção de ser virtuoso, porque aquele que é “o melhor” é arrogante e incapaz de aprender e de ver para além do seu próprio conhecimento.

Ser modesto é reconhecer que, mesmo que saibamos muitas coisas, ainda temos muito mais a aprender. Isso significa que não devemos ser tão orgulhosos de nós mesmos a ponto de não sermos capazes de vermos que nossas conquistas são apenas uma parte da vida, e que muitos vieram antes de nós e virão depois que nos formos. Mesmo o homem mais sábio ainda precisa aprender, e nunca vai saber de tudo.

Esta virtude nos remete a mais do que ser humilde em nosso ego e não significa sermos reticentes em nossas potencialidades e habilidades, nem mesmo ser incerto na força de nossos desejos e sonhos. Ela significa estar disposto a ouvir e descobrir novas ideias e habilidades e não perder nosso equilíbrio devido a ilusões de soberba. Ser modesto é ao mesmo tempo ser sábio em nossos atos e pensamentos e moderado em nosso comportamento e self. Nenhuma mente arrogante pode suportar Sabedoria ou moderação, e nenhuma destas virtudes pode criar raízes neste solo insalubre.