Por Marina Storino Holderbaum

Na introdução de seu livro Pagan Celtic Britain, Anne Ross delimita sua abordagem ao tema e faz uma breve apresentação do assunto. Segundo ela, seu objetivo é produzir um trabalho que possa ser usado como referência para estudos futuros. Para tanto, ela se baseia principalmente na arqueologia e utiliza os relatos gregos e romanos e as fontes literárias e linguísticas como meio de comparação e interpretação das evidências materiais.

A autora faz uma abordagem de todo o background histórico, desde os Proto-Celtas dos Campos de Urnas até o contato com os Romanos e cristãos em La Tène. Além disso, também faz uma análise do material produzido a respeito dos Celtas, avaliando o que é de relevância teórica e o que deve ser descartado.

Ela faz, também, uma distinção não só útil como necessária do Celta continental e do Celta insular, que não só apresentam diferenças em relação a contatos externos mais frequentes, como principalmente em sua cronologia arqueológica, resultando em modificações culturais mais tardias e, como no caso da Irlanda, até um certo isolamento, que torna possível a manutenção de uma linguagem mais arcaica, que o restante do mundo Celta já não falava mais.

O quadro abaixo utiliza as informações dadas por Anne Ross, em suas próprias palavras, para criar um visão clara e sucinta do panorama e das diferenças cronológicas entre as principais áreas consideradas de ocupação Celta.

 Cronologia Arqueológica dos povos Celtas segundo Anne Ross

Resenha 5 - Cronologia_Arqueologica_dos_povos_Celtas_por_Anne_Ross

Referência Bibliográfica: 

ROSS, Anne. Pagan Celtic Britain. Academy Chicago Publishers, Chicago, 1967.